Usando o mkisofs


Para se criar uma imagem simétrica, ou seja, uma cópia exata de uma fonte, nós usaremos o comando mkisofs. Este comando é usado no Linux para que se criar imagens em múltiplos formatos, incluindo o ISO e o IMG, os dois muito divulgados em ambientes Windows.

Forma básica:

# mkisofs -o roberson.iso -r -J /root/arquivos/

Forma irreverente:

# mkisofs -pad -l -r -J -v -V “Genova” -o /saída.iso /diretório

Onde:

  • mkisofs é o programa que cria as imagens em diversos protocolos;
  • -R é o protocolo para o tipo de extensão Rock Ridge, comumente usado no Linux;
  • -J é o protocolo Joliet comumente usado no Windows;
  • -o indica o nome do arquivo de saída;
  • -l permite mais de 31 caracteres para o nome do arquivo, pode ser que o MS-DOS não consiga enxergar estes caracteres, já que ele trabalha com um protocolo 8.3;
  • -V especifica uma identificação para o CD (rótulo);
  • -v caso seja esta opção acionada, serão exibidas em seu vídeo todas informações que saírem do mkisofs;
  • -pad este parâmetro é necessário em muitos OSs, inclusive no Linux, ele é acionado para evitar erros de entrada e saída;
  • /root/a… é o diretório onde estão os arquivos que deverão ser comprimidos.

No caso especificado acima, todos os dados que estão dentro do diretório /root/arquivos/ serão colocados dentro da imagem roberson.img. Para saber se todos os arquivos foram adicionados à imagem, use o comando para montar a mesma:

mount -o loop imagem.iso /diretório/temporário

Um exemplo seria.

Se eu tivesse acabado de criar uma imagem do diretório denominada roberson.img e após a criação eu desejo verificar a integridade do arquivo, mas como você sabe, é meio que impossível ver sem algum comando ou programa específico um arquivo de imagem, no Linux nós podemos montar as imagens como se fossem blocos de dispositivos, para isso passe em um prompt o seguinte comando:

# mount -o loop roberson.iso /mnt/temp

Onde:

  • roberson.iso é o nome do arquivo de imagem que eu quero examinar;
  • /mnt/temp é o nome do diretório onde o arquivo será montado.

Caso você queira fazer alguns testes, pode simplesmente deixar ligada a opção DUMMY, que faz o cdrecord trabalhar normalmente, exceto é claro o gravador, que não irá ligar o laser, assim você não vai perder uma mídia a cada teste que fizer.

Anúncios

, ,

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Follow Carl Roberson's on WordPress.com
  • Fallow me
  • Linux 20 Anos
  • Ubuntu LTS Trusty Tahr

    Lançamento da versão LTS do Ubuntu20 de abril de 2014
    Ubuntu LTS Trusty Tahr Chegou!!! http://www.ubuntu.com/download/desktop
  • Grafica Livre

  • O que estou lendo agora

  • Na minha estante me aguardando


    Literatura
  • Bookmark and Share
%d blogueiros gostam disto: